sexta-feira, 17 de abril de 2009

Nova espécie de peixe é descoberta no Jequitinhonha

FOTOS XU MEDEIROS
Rodrigo Borges
Repórter
O monitoramento realizado pela Companhia Energética de Minas Gerais – Cemig na Bacia do Rio Jequitinhonha resultou na descoberta de uma nova espécie de peixe, apresentada nessa quinta-feira (16/04), na Usina Hidrelétrica Irapé. O peixe é um piau de pequeno porte, com cerca de 10 cm de comprimento, caracterizado pela presença de máculas (bolas) pretas grandes e médias distribuídas pela lateral de seu corpo.

O biólogo Francisco Andrade Neto realizou a captura da nova espécie no Córrego Vacaria, um afluente do Jequitinhonha, localizado em Padre Carvalho, no Norte de Minas, dentro das ações de monitoramento do Programa Peixe Vivo, criado para preservar os peixes das bacias hidrográficas onde a Cemig tem usinas. Segundo Francisco, a distribuição da nova espécie deve ser restrita, pois o piau foi capturado seis vezes, sempre na mesma localidade.

Para a escolha do nome comum do peixe, a Cemig irá promover um concurso entre os moradores da região onde ele foi descoberto, no Médio Jequitinhonha. O concurso “Piau, o quê?” irá colher sugestões de ribeirinhos, pescadores, estudantes, autoridades e demais representantes locais para o nome do novo piau do Jequitinhonha.

Para descrever cientificamente o novo piau, foram adotados critérios como o número de escamas e dentes, que o diferenciam das demais espécies já conhecidas. A descrição está sendo realizada por pesquisadores da Fundação Biodiversitas, do Departamento de Zoologia da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais – PUC-MG e da Cemig. Já se sabe que a espécie faz parte do gênero leporinus e pertence a um grupo com sete espécies já catalogadas: seis restritas à Bacia Amazônica e do Rio Orenoco e outra endêmica da Bacia do Rio São Francisco, no Alto Paracatu (MG).

Monitoramento

Desde o início do enchimento do reservatório de Irapé, em 2006, a Cemig realiza diversas ações ambientais. Os estudos buscam monitorar a população de peixes no reservatório e tributários e identificar as áreas em que as espécies possam se reproduzir, antes e após a barragem. A coleta de dados com os locais de ocorrência, a dieta, a reprodução e a variedade vai facilitar na identificação da densidade da ictiofauna ao longo do tempo e auxiliar no planejamento das ações de preservação.

Para Francisco, a pesquisa, a maior já realizada na região, deve trazer dados muito importantes para a preservação das espécies nativas. “Essa fauna aquática ainda é muito pouco estudada, sendo que a região do Médio Jequitinhonha e de seus tributários é considerada uma área de importância biológica muito alta, segundo o Atlas da Fundação Biodiversitas – Biodiversidade em Minas Gerais. Acredito que o número de novas espécies pode chegar a 80”, estima.

Existem 35 espécies nativas descritas no Médio Jequitinhonha, incluindo surubim, maria-mole, curimba e cascudo, dentre outras. Três delas também são do gênero leporinus: timburé, piau-três-pintas e piapara. Devido ao número restrito de espécies em relação a outras bacias hidrográficas, a descoberta ganha importância para a Bacia do Rio Jequitinhonha, pois, quanto maior a variedade de peixes, mais expressiva ela é considerada para a biodiversidade do Estado.Ascom Cemig

2 comentários:

jose rodrigues disse...

amigo, sou da região foi nascido no municipio de josenopolis e ja faz +- 20 anos que eu pescava essa especia de piau no ribeirão das piabanha nas aproximidade da comunidade sao vicente, porem esse peixe ja faz parte de uma historia do local.

Wellington Furnas disse...

Quando garoto, sempre que vizitava a fazenda de um tio, pescava desse peixe, que inclusive era comum no córrego Espada. Este córrego é afluente do Rio do Cipó, está localizado na bacia do São Francisco e hoje está quase assoreado devido ao desmatamento e várias construções na região.