quarta-feira, 19 de maio de 2010

CASO DO MAMORÉ E FUNORTE VAI PARAR NO STJD

FOTOS XU MEDEIROS/AG ESPORTE
HEBERTH HALLEY
REPÓRTER

Diretoria do formigão vai recorrer ao STJD e quer paralisar o campeonato


Após a decisão do Tribunal Pleno do TJD – Tribunal de Justiça Desportiva, que alterou o julgamento em segunda instância e absolveu o Mamoré, pela perda de sete pontos, na noite de terça-feira, dia 18 de maio, a diretoria do Funorte muito chateada com a decisão do julgamento, promete paralisar o campeonato mineiro do módulo II e ainda recorrer ao STJD – Supremo Tribunal de Justiça Desportiva.
- Vamos paralisar o campeonato. Além do procurador da Federação mineira de futebol, vamos também recorrer ao STJD quanto à decisão – afirmou Cristiano Júnior, que acompanhou o julgamento de terça-feira.
A equipe do Mamoré havia perdido sete pontos no julgamento da comissão disciplinar do TJD por ter utilizado o jogador Vitinho de forma irregular contra o Funorte e Tombense, pelo campeonato mineiro do módulo II.
O diretor do Funorte indignado com a situação explicou que não teria como o Mamoré ter sido absolvido se todos os documentos constava que o atleta estava irregular.
- Houve foi uma virada de mesa. Todo mundo viu que o jogador Vitinho estava irregular e foi provado isso. Os auditores viram que existia a irregularidade. Agora, como pode o Mamoré ser absolvido se teve um jogador irregular? – disse Cristiano Júnior, bastante chateado com o resultado.
O dirigente do Formigão explicou ainda que o contrato do jogador com Mamoré estava constando até 11 de junho, mas que seu contrato com o América era até 30 de abril. Além do mais o nome do jogador não constava no BID – Boletim Informativo Diário, o que autoriza o atleta a estar apto para atuar.

3 comentários:

Anônimo disse...

O Funorte tem mesmo que ficar puto.Enquanto o Alves,trabalha para comprar alguns juizes,o Esporte Clube Mamoré,trabalha na moral.Graças a ajuda do competente advogado,Dr.Sergio Rodriguês a justiça foi feita.O FUNORTE teria que ter ganhado dentro de campo.DAÑÇOU SEM MUSICA.

Sapo Forte disse...

Prezado Sr Diretor do Funorte, não queira iludir seus torcedores com esta conversa de que "todos os documentos constava que o atleta estava irregular", da forma que você coloca o ocorrido, realmente fica parecendo que foi uma "virada de mesa".

O fato é que a fmf rasurou o contrato dentro da própria fmf onde sobrepuseram o numero 4 no lugar do 6, a rasura foi tão mal feita por alguém que tentou prejudicar o Mamoré, que ao sobrepor o numero 4 utilizaram outra fonte de letra, ou seja utilizaram uma máquina diferente da que foi feita as 3 vias dos contratos.

Sobre os documentos, quem tem todos os documentos que confirma que o atleta não está irregular é o Mamoré, 2 vias dos Contratos do jogador constando a data final de 11/06/2010 sem rasura e a carteira do jogador assinada e carimbada pela fmf com data final de 11/06/2010.

O atleta também consta no bid, porém com a data de 11/04/2010, data essa que foi influenciada pela adulteração do contrato do jogador por parte da própria fmf.

Por último gostaria de salientar que mesmo o jogador tendo a data do contrato com o América até 30/04/2010, sabemos que ao vencer essa data uma simples renovação de contrato bastaria, mesmo assim o Mamoré foi prudente e o jogador não jogou nenhuma partida após esta data.

Espero ter esclarecido as falsas informações aqui prestadas pelo Sr Diretor como também esclarecido aos torcedores do time que não tem culpa de ter uma diretoria tão amadora como esta que iludi seus torcedores e dão falsas informações a respeito do fato.

Rogerio Gonçalves Flores disse...

Sou torcedor do Funorte e acho que a nossa diretoria está tentando iludir a todos com essa história de recorrer ao STJD. Tínhamos um time bem melhor que o do Mamoré e na hora da decisão, não conseguimos ganhar dentro de campo.Já houve até o primeiro jogo da decisão. O time do Mamoré, que ruim mesmo, ganhou a primeira. No ano que vem, temos que fazer um time melhor e mais aguerrido. O deste ano era bom, mas falhou na hora "H". Vamos parar com esse negócio de Tribunal. Bola pra frente, Formigão!
Rogério Gonçalves
Montes Claros